Depois da pressão feita pelos pecuaristas de Mato Grosso, a Comissão das Comunidades Européias decidiu dilatar o prazo para a auditagem das propriedades rurais inseridas no Serviço de Rastreabilidade da Cadeia Produtiva de Bovinos e Bubalinos (Sisbov). A princípio, o prazo estabelecido pela UE terminaria no dia 31 de janeiro de 2008, tempo insuficiente para que os técnicos do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e do Instituto de Defesa Agropecuária (Indea) fizessem a auditagem nas 1.791 propriedades de Mato Grosso inseridas no Estabelecimento Rural Aprovado-Sisbov (Eras).

De acordo com a “diretiva” editada na última quinta-feira (17/01) pela Comissão das Comunidades Européias, as propriedades poderão ser auditadas mesmo depois de 31 de janeiro. A Comissão continuará recebendo a lista e credenciando as propriedades auditadas para a exportação de carnes para o mercado europeu.

A mudança foi uma solicitação feita pela Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso (Famato), Associação de Criadores (Acrimat) e demais entidades representativas da pecuária mato-grossense ao ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, em reunião agendada pelo deputado federal Homero Pereira (PR-MT), que aconteceu em Brasília no dia 9 de janeiro.

Para o presidente da Famato, Rui Prado, foi uma conquista importante para o setor e para o estado, uma vez que Mato Grosso tem o maior rebanho do País e os frigoríficos são os maiores exportadores, respondendo por 30% das exportações brasileiras.

A decisão da União Européia se refletirá de forma positiva para o setor. “Com todas as propriedades do Eras auditadas, o volume de exportações vai aumentar e deverá também impulsionar o preço do boi dessas propriedades que hoje custa em média R$ 2 a mais que o de áreas não inseridas no Sisbov”, observou Prado. Ele lembra, porém, que mesmo auditando as 1.791 propriedades, a oferta de boi para abate deverá ser de aproximadamente 300 mil cabeças, o que não atende à demanda do mercado europeu.