Será encerrado nesta sexta-feira (25-01) o trabalho de inspeção nas propriedades rurais goianas, e de outros cinco Estados exportadores de carne bovina (Minas Gerais, Espírito Santo, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Mato Grosso), aprovadas no Sistema Brasileiro de Identificação e Certificação de Origem Bovina e Bubalina (Sisbov). Contudo, nem todas as 2.651 fazendas goianas registradas no sistema receberão a visita dos técnicos do Ministério da Agricultura, da Secretaria da Agricultura, da Agência Goiana de Defesa Agropecuária (Agrodefesa) e da Agenciarural. Hoje, também é o prazo final para os pecuaristas apresentarem os documentos pendentes, de vistorias realizadas, nos escritórios da Agrodefesa.

Até essa quinta-feira, 70% das fazendas goianas já haviam sido inspecionadas, mas a previsão é de que nem todas as propriedades sejam visitadas até o fim do dia. É que o tempo para o trabalho de inspeção foi curto, apenas 11 dias, apesar de 101 equipes, compostas por veterinários e técnicos, estarem em campo desde o último dia 15 de janeiro, trabalhando ininterruptamente.

O coordenador estadual do Programa Sisbov da Agrodefesa, Lázaro Antunes Cintra Neto, diz que foi antecipado, do dia 30 para o dia 27, o prazo para os Estados entregarem o relatório com os dados das fazendas que criam animais rastreados à União Européia. Com isso, as equipes serão obrigadas a encerrar hoje as inspeções nas fazendas para que amanhã, mesmo sendo sábado, os técnicos façam o relatório que será apresentado, no domingo, ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Uma reunião com os representantes dos Estados e técnicos do Ministério da Agricultura está marcada para domingo, em Brasília, às 14 horas, quando o relatório final será fechado e encaminhado à Comissão Técnica da União Européia, em Bruxelas, na Bélgica. O documento inclui a relação das propriedades rurais que trabalham dentro das conformidades exigidas pelo mercado europeu. As inspeções verificaram, entre outras coisas, manuseio e movimentação dos animais, tipo de alimentação, vacinas e identificação para rastreamento em todos os bovinos da propriedade.

Lázaro Cintra Neto avisa que apenas na reunião de domingo com os técnicos do Ministério da Agricultura será decidido como serão incluídas as propriedades que ficarem de fora dessa primeira inspeção.

Em todo o País, o levantamento envolve 5.938 propriedades, das quais 2.651 estão localizadas em Goiás. De posse do relatório, a Comissão Técnica da União Européia vai indicar que fazendas brasileiras estão aptas a criarem animais para a produção de carne visando atender o seu mercado. O Brasil é responsável por 67% da carne importada pela União Européia.