Na safra 2006/07, das 2.778 ocorrências de ferrugem asiática registradas pelo Sistema de Alerta da Embrapa em todo o País, 44% foram identificadas pelo SOS Soja, programa da Bayer CropScience realizado em parceria com instituições públicas e privadas de pesquisa, para o monitoramento da doença que mais preocupa os sojicultores, pelos significativos danos que causa à produção de soja.

Nesta safra, o Sistema de Alerta já registrou 195 ocorrências de ferrugem asiática nas principais regiões produtoras de soja até esta terça-feira (15-01). Deste total, 41% foram identificadas pelo programa SOS Soja da Bayer CropScience. De acordo com informações do Sistema da Embrapa Soja, os Estados mais atingidos pela doença até o momento são Mato Grosso do Sul e Paraná.

Como tem abrangência nacional, o programa permite o esforço coletivo de sojicultores, técnicos, institutos de pesquisa e indústria, para redução dos riscos de uma epidemia em larga escala da ferrugem asiática no País. O SOS Soja atua para que produtores e técnicos possam controlar melhor a propagação da doença e evitar grandes prejuízos com a proliferação da ferrugem. Nas duas últimas safras estes prejuízos foram reduzidos devido ao vazio sanitário e ao controle químico precoce e preventivo, mais eficaz e de menor custo quando comparado ao controle curativo.

O monitoramento das ocorrências de ferrugem asiática pelo Sistema de Alerta Embrapa integra o Consórcio Antiferrugem, criado em 2004 para propor soluções de controle da doença no Brasil. A Bayer CropScience integra este consórcio e participa ativamente por meio do SOS Soja, que é realizado sem custo para os sojicultores e contribui para a identificação ágil e precisa de focos de ferrugem e o seu monitoramento nas lavouras. Assim, as informações necessárias chegam aos sojicultores de forma rápida, o que contribuirá na hora da tomada de decisão sobre a forma mais adequada de controlar a doença.

“O SOS Soja contribui de forma significativa para o controle preventivo da ferrugem asiática nas lavouras de soja, pois o conhecimento da situação regional da doença permite que técnicos e produtores realizem o manejo no momento mais adequado, minimizando ou eliminando os prejuízos da doença, resultando em lavouras com mais sanidade e mais produtivas”, destaca o gerente de cultura soja da Bayer CropScience, Anildo Betencourt. As informações são da assessoria de imprensa da Bayer CropScience.