Um sistema conservacionista, capaz de revolucionar a agricultura brasileira, trazendo aumentos de produtividade para as culturas produtoras de grãos, com preservação do meio ambiente e melhorias na capacidade produtiva do solo, assim, defini-se o sistema plantio direto (SPD). Seu principal fundamento é o não revolvimento do solo, aliado a cobertura permanente e a rotação de culturas.

No Brasil, o SPD surgiu na década de 70, em trabalhos de pesquisa conduzidos na região Sul do país. Ainda na mesma década, foi introduzido no Centro-Oeste brasileiro, onde seus benefícios foram capazes de mudar o cenário do Cerrado.

Em Dourados-MS, o agricultor Lúcio Damália lembra-se que quando resolveu mudar do sistema convencional para plantio direto foi considerado insano por alguns, mas o tempo encarregou-se de provar que sua tentativa de controlar a erosão nos solos de sua propriedade, através do SPD, fora uma solução eficiente.

“O primeiro plantio, em 1977, foi em dez hectares como teste; os anos seguintes serviram como experiência e estabilização, e em 1982, o plantio direto já estava em toda área e os resultados foram animadores, pois havíamos controlado a erosão”, recorda-se Lúcio.

Apesar de sua evolução, onde instituições de pesquisa, como a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, foram importantes colaboradoras neste processo. Para Lúcio, “ainda há desafios como a influência marcante, e cada vez maior, das condições climáticas e o tempo de permanência da palha no solo”.

Agora entre as principais razões para se adotar o SPD estão: menores custos de produção e desgaste de máquinas e equipamentos; maior agilidade e utilização do tempo e produtividade das culturas e melhor equilíbrio biodinâmico do solo.

Evento – em comemoração aos 30 anos de Plantio Direto em Mato Grosso do Sul, o Grupo Plantio na Palha promoverá no dia 25 de janeiro, sexta-feira, um encontro que reunirá produtores, técnicos e pesquisadores na Fazenda Aquarius, berço do sistema em Mato Grosso do Sul, no distrito de Panambi.

O evento tem a realização da Embrapa Agropecuária Oeste (Dourados-MS) e parceria da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD), Associação dos Engenheiros Agrônomos da Grande Dourados (AEAGRAN) e Sindicato Rural.

Para a celebração, haverá palestras, homenagens e confraternização, com a presença dos pioneiros e entusiastas do Plantio Direto, o agrônomo John Landers e o produtor Herbert Bartz, responsáveis por escrever um pouco da história desse sistema produtivo.