A aprovação de cotas para importação de carnes, anunciada ontem (28) pelo governo russo determina em 493.500 toneladas a cota de importação de carne suína para 2008 contra 484.800 em 2007, aumento de 1,8%.

Este volume está previsto em decreto assinado no dia 18 de janeiro e que, de acordo com a assessoria do governo russo, se tornará efetivo dentro de um mês. Para a União Européia, a fatia reservada é de 249.300 toneladas ante 244.900 toneladas no ano passado. A participação dos EUA é de 49.800 toneladas em 2008, em comparação a 49.000 toneladas em 2007. A participação de outros países é de 193.400 toneladas, versus 189.900 no ano passado.

Mas é importante lembrar que em 2007, a Rússia importou 278.724 toneladas de carne suína das indústrias frigoríficas brasileiras em 2007, o que em relação ao volume comprado em 2006, de 267.689 toneladas, representa aumento de 4% (11 mil toneladas a mais), conforme dados da Abef (Associação Brasileira dos Produtores e Exportadores de Frango).

É possível observar que somente a quantidade comprada do mercado brasileiro no ano passado correspondeu a 57,58% da cota total de importações estipulada pelo governo russo, mostrando assim as necessidades daquele país.

Traders que operam no mercado de carnes apostam que o volume destas cotas tem tudo para estourar novamente em 2008. Além disso, especialistas do mercado de carne bovina alertam que este volume em cotas é muito usado para tentar fazer pressão negativa com os vendedores juntos aos vendedores.