Os arrozeiros deverão contar com R$ 1 milhão do governo federal para comercialização da safra 2007/08. Conforme o superintendente de Gestão de Oferta da Conab, Paulo Morceli, a previsão é destinar R$ 400 milhões para EGF, R$ 300 milhões para AGF e contratos de opção e outros R$ 300 milhões para leilões. A maior parte será disponibilizada após aprovação do orçamento da União pelo Congresso Nacional, exceto o destinado às operações de EGF, que já pode ser usado. A previsão é que a matéria seja votada até o dia 15 do mês que vem e a verba, aportada em março. “No mínimo, garantimos a mesma quantia liberada no ano passado”, disse Morceli.

O acerto foi fechado ontem, em Brasília, e comemorado pelos orizicultores, que precisaram se dividir para cumprir a agenda do dia. Pela manhã, houve o lançamento da 18ª Abertura Oficial da Colheita do Arroz, que ocorrerá entre 28 de fevereiro e 2 de março. A produção pode chegar a 7 milhões de toneladas conforme o presidente do Irga, Maurício Fischer. Segundo o presidente da Federarroz, Renato Rocha, as primeiras lavouras são colhidas a partir de 10 de fevereiro.

Ao mesmo tempo, os produtores acompanharam o primeiro leilão dos estoques da Conab na entressafra. Das 78,8 mil t do grão do RS, foram vendidas 30,1 mil t (38%). Os preços médios ficaram entre R$ 24,92 e R$ 25,22, informou Morceli. O presidente do Conselho Consultivo da Federarroz, Valter Pötter, destacou a questão de logística como diferencial na escolha dos lotes. Para o coordenador da Comissão do Arroz da Farsul, Francisco Schardong, o problema foi a qualidade do produto depositado na Cesa, da safra 2003/04. Apesar disso, a Conab confirmou o segundo leilão para o próximo dia 31. Estarão à venda 75 mil t do RS e 10 mil t de SC. O preço de abertura permanece em R$ 25,50.