Açougueiros suíços alertaram que as restrições impostas à importação da carne brasileira estão provocando uma falta de intestinos das vacas do Brasil, usados na fabricação da salsicha favorita na Suíça, a Cervelat. A Associação de Carne Suíça afirmou que os estoques, já em baixa, podem acabar até o meio do ano, quando fãs do futebol europeu devem comparecer em massa ao país para acompanhar a Eurocopa, a ser sediada na Suíça.

As restrições à carne brasileira foram impostas pela União Européia, pelo temor de contaminação pela Doença da Vaca Louca. Apesar de não fazer parte do bloco, a Suíça segue as regras de importação impostas por Bruxelas (sede das instituições da UE). Cerca de 160 milhões de salsichas são consumidas na Suíça todos os anos.

Elas são feitas de carne bovina, bacon e toucinho e depois embaladas na pele do intestino, e podem ser cozidas, grelhadas ou comidas cruas. Uma “força de trabalho Cervelat”, composta por cientistas, burocratas e representantes da indústria, foi formada para combater a crise da salsicha.

“A gente não tem a ilusão de conseguir que Bruxelas mude as regras rapidamente. Então, esperamos que eles abram uma exceção para a Suíça, disse o porta-voz da Associação Suíça de Carnes, Balz Horber.

Os suíços também estão procurando fornecedores alternativos, entre eles a Argentina, o Uruguai, o Paraguai e a África do Sul, mas eles prefeririam ficar com o Brasil, segundo Horber. BBC Brasil – Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.