Em Minas Gerais, diz ele, 50% das propriedades foram reprovadas. E em Goiás, o envio das informações estava bastante atrasado.

Das 546 propriedades gaúchas auditadas pelos técnicos da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Agronegócio do Rio Grande do Sul (Seapa), 86% foram aprovadas a exportar carne aos países da União Européia (UE). A vistoria das propriedades, feita pelo Departamento de Produção Animal (DPA) da Seapa, em janeiro, encerrou-se na sexta-feira (25-01). “O alto índice de propriedades aptas a vender para a Europa é motivo de alegria e comemoração para o Estado”, avalia o diretor do DPA, Cláudio Dagoberto Bueno.

A listagem dos estabelecimentos certificados já foi enviada pelo DPA à Superintendência Estadual do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) no RS. O prazo dado ao Brasil pela UE termina dia 31. “Esta é apenas uma lista inicial. As propriedades ainda têm a chance de ficar em conformidade com as normas exigidas para permanecer exportando a partir de um novo envio”, explica Bueno. O diretor avalia que o Rio Grande do Sul está muito bem-preparado. Em Minas Gerais, diz ele, 50% das propriedades foram reprovadas. E em Goiás, o envio das informações estava bastante atrasado.

Bueno festejou não só os números, mas todo o processo de auditoria. Ele relata telefonemas de proprietários agradecendo a visita dos técnicos da Agricultura e pelo apoio e orientação. “Os produtores queixam-se de que as certificadoras estão preocupadas apenas com a questão comercial. Os técnicos que passaram pelas propriedades, além de vistoriar, acabaram orientando os proprietários sobre questões de manejo”, conta Bueno. As informações são da assessoria de imprensa do governo do Estado do Rio Grande do Sul.