Devidamente identificados com crachás e jalecos, com laptops nas mãos, máquinas calculadoras e blocos de anotações nas pastas, os técnicos da Superintendência Federal da Agricultura em Goiás (SFA-GO) e da Agência Goiana de Defesa Agropecuária (Agrodefesa) começaram ontem as visitas de inspeção nas 2.651 propriedades rurais do Estado aprovadas no Serviço Brasileiro de Rastreabilidade da Cadeia Produtiva de Bovinos e Bubalinos (Sisbov). Eles estão verificando se essas fazendas criam bovinos para a produção de carne em conformidade com as exigências da União Européia (UE).

Entre as propriedades rurais, também conhecidas como Estabelecimentos Rurais Aprovados no Sisbov (Eras), visitadas ontem pelas equipes da SFA e da Agrodefesa, formadas por médicos-veterinários, zootecnistas, agronômos e técnicos agrícolas, está a Fazenda Ana Paula, localizada no município de Goiânia, de propriedade de Tubal Vilela da Silva Neto e Pérsio Vilela.

Na propriedade, são criados 641 animais da raça nelore e mestiços de outras raças de corte, no sistema extensivo (a pasto), todos cadastrados no Sisbov. Segundo o administrador da propriedade, Rodrigo Vilela, anualmente, são levados cerca de 200 animais para abate em frigoríficos habilitados à exportação para a União Européia.

Ele entende que esse trabalho de inspeção, que começou a ser realizado pelo governo, a pedido dos importadores europeus, é importante para dar mais segurança aos compradores do produto brasileiro. A exemplo de outros pecuaristas, Vilela espera que, a partir de agora, o boi rastreado seja mais valorizado pelos frigoríficos e que esse processo possa abrir novos mercados para a carne produzida no País.

Checagem:

Na Fazenda Ana Paula, no município de Goiânia, os técnicos da SFA e da Agrodefesa checaram o cadastro dos animais. Além disso, conferiram se os bovinos estavam portando a identificação correta e verificaram as notas fiscais de compra e venda dos animais, dos medicamentos e dos brincos do Sisbov; conferiram o controle de peso, o tipo de alimentação fornecida ao rebanho, o sexo e a data de nascimento de cada animal.

O fiscal federal agropecuário, veterinário Paulo André Tavares Segura, disse que, a partir de hoje, o trabalho será intensificado em todo o Estado para que ele seja concluído até o próximo dia 27. No dia 30, o Ministério da Agricultura terá de enviar ao DG-Sanco, em Bruxelas, a relação dos estabelecimentos brasileiros que estão em conformidade com as exigências do mercado europeu.

Paulo André recomenda aos pecuaristas que tenham em suas propriedades todas as documentações que comprovem os registros no livro do Sisbov. E ainda que facilitem a entrada dos técnicos do governo (SFA, Agrodefesa, Agenciarural e Secretaria da Agricultura) para que possam realizar o trabalho no tempo hábil, ou seja, até o próximo dia 25.

Os pecuaristas que não apresentarem a documentação exigida pelos técnicos, no ato da inspeção, terão até o próximo dia 25 para apresentá-la à Agrodefesa. Quem não fizer isso, ficará impedido de fornecer animais para abate aos frigoríficos que vendem carne para a UE. O fiscal federal agropecuário afirma que uma das dificuldades encontradas nas vistorias é a falta de preparo dos produtores em receber as equipes. Isso porque eles não são avisados da visita.

Contudo, as empresas certificadoras já foram notificadas da inspeção nas propriedades e cabe a elas repassar as informações e orientar os pecuaristas sobre a organização da documentação necessária para as inspeções dos técnicos do governo.