O Consórcio Anti-Ferrugem, coordenado pela Embrapa Soja, de Londrina (PR), registrou até a segunda-feira 183 focos de ferrugem asiática soja no País, resultado do tempo chuvoso nas principais áreas produtoras do grão que facilita a propagação do fungo. Mato Grosso do Sul lidera as ocorrências com 109 casos, seguido pelo Paraná com 56 focos, Goiás com 11, Mato Grosso e Rio Grande do Sul, com três focos cada. O último Estado a confirmar a doença foi o Maranhão. No ano passado o Estado anotou 172 focos da doença.

Janeiro é o mês em que mais ocorrem casos da doença devido às chuvas intensas, segundo os pesquisadores. Em Dourados, até o final de semana foram registrados 109 milímetros, pelo centro de agrometeorologia da Embrapa Agropecuária Oeste. Neste mês em 2007, ocorreram 1.399 focos dos 2.778 encontrados durante toda a safra brasileira de soja. Já em 2008, o total até agora em janeiro é de 128. O menor número de ocorrências neste ano é resultado do vazio sanitário, adotado pela Iagro de 1º de julho e 30 de setembro – e copiado por outros estados, e da estiagem nos últimos meses do ano passado. De acordo com o consórcio, na safra passada a ferrugem da soja causou prejuízos de 2 bilhões e 190 milhões de dólares, somando-se a queda na produtividade das lavouras e nas despesas com a aplicação de fungicidas.