Segundo Bacha, em 2000 a ocorrência de brucelose nos bovinos girava em torno de 6,5% no rebanho estadual. “Neste inquérito que será realizado pela Iagro queremos avaliar quantitativamente e qualitativamente o que o Programa está trazendo de benefícios”, frisou.

Bacha destaca ainda que a vacinação é obrigatória no Estado em bezerras de 3 a 8 meses, e deve ser feita juntamente com a imunização contra a aftosa nos meses de maio ou novembro. Segundo os dados da Iagro até o final de novembro de 2007, índice de imunização atingiu 83,4% no Estado, com a comercialização de mais de 2 milhões de doses da vacina. “O índice é muito bom, e acreditamos que no fechamento do ano possa chegar a 90%”, frisou o presidente da Iagro.

Segundo reportagem Do jornal Correio do Estado, o PNCEBT foi elaborado em conjunto com técnicos da Defesa Sanitária Animal, Médicos Veterinários especializados em epidemiologia animal e especialistas em Medicina Preventiva Animal de diversas regiões do País. A Tuberculose também está dentro do programa estabelecido pelo Ministério da Agricultura para a Brucelose, devido as duas doenças terem as mesmas características epidemiológicas e também por ser uma zoonose, sendo por isto mundialmente combatidas juntas.

O Programa consiste no estabelecimento de uma imunização compulsória das fêmeas jovens, pela obrigatoriedade da vacinação contra a Brucelose, com a finalidade de baixar a prevalência e a incidência a um nível tal que sejam dispensadas medidas sanitárias mais drásticas semelhantes à febre aftosa, como rifle sanitário, isolamento de áreas, implantação de barreiras sanitárias em fronteiras etc.