Durante sua visita na 20ª edição do Show Rural Coopavel, em CascaveL (PR), o ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, afirmou que o problema do embargo da União Européia às carnes brasileiras será resolvido no prazo de dois meses, reforçando que o Brasil poderá solicitar intervenção à OMC.

O ministro garantiu que o impasse não é motivado por qualquer problema de sanidade animal. “O problema não está na sanidade animal, mas em questões burocráticas”, disse Stephanes, reforçando que o fato de o Brasil ser um grande exportador de carne está aumentando as exigências. “O Brasil é um grande produtor, exporta para mais de 150 países e estava entrando com grande força no mercado da União Européia. Evidentemente isso começou a incomodar muita gente e as exigências passaram a ser maiores”.

Outro ponto citado pelo ministro é o fato de alguns países europeus exportadores de carne terem perdido espaço devido à doença da vaca louca. “Algumas exigências têm o objetivo de colocar o Brasil no mesmo padrão de exigência dentro do que se produz na própria União Européia, em virtude da doença da vaca louca. Os termos de produção europeus são bem diferentes do Brasil e nós não temos essa doença, o que levou à rastreabilidade”, disse Stephanes, lembrando também que não há focos de febre aftosa no País.

O ministro ressaltou que a União Européia pode estar prejudicando um trabalho intenso de negociações de oito anos. “O Brasil, por meio da diplomacia e do Ministério da Agricultura, está trabalhando para que esta decisão seja modificada o mais rápido possível. Mas de qualquer forma existe uma janela aberta para continuarmos exportando para a Europa, através, inicialmente, de 300 propriedades”, de limitar apenas essa parcela de produtores habilitados.

A expectativa do governo, segundo o ministro, é que a União Européia amplie a importação a um número maior de propriedades. “Nós temos cerca de 2,8 mil propriedades em condições de exportar, que estão enquadradas nas condições e regras impostas pela União Européia”, disse o ministro.

A comitiva que esteve acompanhando Stephanes na visita ao Show Rural contou com a presença de diversas autoridades, entre elas o presidente da Itaipu Binacional, Jorge Samek; o superintendente dos Portos de Paranaguá e Antonina, Eduardo Requião; o presidente da Embrapa, Silvio Crespana; o presidente do Iapar, José Augusto Teixeira de Freitas Picheth; o presidente da Emater, Arnaldo Bandeira; e o ex-ministro da Agricultura e atual diretor de crédito do Banco do Brasil, Luis Carlos Guedes.