As exportações brasileiras de milho confirmaram as expectativas e alcançaram o recorde histórico de 10,9 milhões de toneladas em 2007, 178,11% mais que no ano anterior, de acordo com números da Secex compilados pela consultoria Céleres.

A receita total com os embarques atingiu US$ 1,88 bilhão, fruto de um preço médio de vendas de US$ 172,4 por tonelada, 41% superior ao de 2006. Conforme as informações divulgadas pela Celeres, o principais destino das vendas brasileiras de milho ao exterior foi a Europa, cuja safra enfrentou restrições em virtude de problemas climáticos.

No último mês de dezembro, quando as vendas ao exterior somaram 896,5 mil toneladas – 29,6% menos que em novembro, mas 196,6% mais que em dezembro de 2006 – a Espanha liderou as compras, com 158,6 mil toneladas. Em seguida apareceram Bélgica e Holanda, com 239,1 mil toneladas divididas em partes praticamente iguais.

Apesar do forte incremento das exportações – e até por causa desta disparada -, as importações do grão também cresceram no ano passado. No total, foram 1,1 milhão de toneladas (US$ 131,9 milhões), ante as 956 mil de 2006. Em dezembro passado as compras no exterior atingiram 141,4 mil toneladas, trazidas sobretudo do Paraguai (140,04 mil).

A Céleres observa que as previsões de que faltaria milho neste início de ano no mercado brasileiro não se confirmaram. Em parte devido ao temor de que isso poderia acontecer, houve formação de estoques privados no fim de 2007, o que, atualmente, segura os preços no mercado.