O Kit Biogás, equipamento para auxiliar a identificação da qualidade do biogás produzido nas propriedades rurais, já está à disposição dos agricultores. O projeto, desenvolvido pela Embrapa Suínos e Aves, unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), em parceria com a empresa Alfakit, de Santa Catarina, pelo pesquisador Aírton Kunz, é de fácil operação e de baixo custo.

“Medir a qualidade do gás é importante do ponto de vista econômico e ambiental”, afirma o pesquisador, acrescentando que, para o maior aproveitamento do biogás, o metano deve ter mais de 70% do volume total de gases.

No caso da suinocultura, o biodigestor utiliza os dejetos dos animais para produzir um combustível renovável para formar calor ou energia elétrica. Assim, o produtor elimina corretamente os dejetos animais e reduz os custos na propriedade.

Aírton Kunz ressalta a importância do kit para controlar a qualidade do biogás e incentivar o uso do biodigestor e outros processos anaeróbios para o mercado internacional de créditos de carbono.

Os biodigestores são uma tecnologia há muito conhecida. O primeiro ciclo do biogás no Brasil aconteceu nos anos 80. Várias dificuldades, especialmente quanto aos materiais empregados e a má qualidade do gás, fizeram com que o equipamento caísse em desuso. A partir do Protocolo de Kyoto que, em fevereiro de 2005, regulamentou o comércio de créditos de carbono, os biodigestores voltaram a ser utilizados.