As exportações brasileiras de carne de frango devem crescer menos em 2008 e ficar em torno dos 8%, tanto em receita como em volume. Os principais problemas apontados pelo setor são a alta nos preços das commodities, as pressões com custos dos insumos avícolas e a falta de infra-estrutura do país para atender à crescente produção das indústrias nacionais.

Cristhian Lohbauer, presidente da Associação Brasileira dos Produtores e Exportadores de Frango (ABEF), disse que 2007 “foi excepcional para o setor”, com o volume das exportações 21% maior e receita 55% acima de 2006, ano em que a gripe aviária afetou o mercado. Em 2007 foram embarcadas 3,2 milhões de toneladas, e a receita foi de US$ 4,9 bilhões.

Para 2008, a expectativa é de que o setor não tenha o mesmo desempenho por causa da alta das commodities. “Os custos com milho subiram 80%. Soja e milho são responsáveis por mais da metade da ração”, explica Ariovaldo Zanni, diretor executivo do Sindicato Nacional da Indústria de Alimentação Animal (Sindirações).

Com relação à infra-estrutura, Biramar Nunes de Lima, diretor do Departamento de Logística do Ministério da Agricultura, explicou “que a prioridade do governo é investir, com a ajuda do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC), no escoamento de produtos industrializados e agrícolas”.