Os preços do boi gordo continuam em alta. Entre 9 e 16 de janeiro, o Indicador Esalq/BM&F subiu 1,3%, para R$ 75,32 nessa quarta-feira (16-01). Na parcial de janeiro, a alta chega a 4,99%. No mesmo período do ano passado, o Indicador estava na casa dos R$ 53,00 (valor nominal), acumulando alta de 1,4%.

Com o enfraquecimento dos preços da carne no mercado atacadista da Grande São Paulo nos últimos dias, frigoríficos tentam pressionar as cotações da arroba, mas não têm obtido sucesso devido à baixa disponibilidade de animais e, conseqüentemente, às curtas escalas de abate. Mesmo com quedas desde o final da semana passada, os preços do dianteiro ainda acumulam alta de 13,8% na parcial deste mês e, a carcaça casada, de 2,75%. Já os cortes traseiro e a ponta de agulha registram quedas de 0,9% e 2,8% respectivamente.

Além do aparente prolongamento da “entressafra”, as preocupações da indústria quanto à oferta de animais se agravaram com a divulgação de novos números oficiais. O relatório preliminar do Censo de 2006 do IBGE mostra que, naquele ano, o rebanho se limitou a 169,9 milhões de bovinos. Esse total é cerca de 18% menor que os 205,9 milhões animais ainda informados no site da instituição oficial (IBGE/Sidra) para o mesmo ano. As informações são da assessoria de imprensa do Cepea.