Pela portaria, os bovídeos em trânsito no Estado deverão estar acompanhados de certificados e outros documentos exigidos e emitidos pela Iagro, observando-se os prazos de validade estabelecidos. Para efeito de controle em relação à vacinação contra febre aftosa, fica o trânsito de bovídeos no Estado de Mato Grosso do Sul dividido em 3 modalidades:

I – Trânsito Intra-estadual:

a) de bovídeos tendo como origem a região sanitária do Planalto e destinados às regiões sanitárias do Planalto, Pantanal ou ZAV;

b) de bovídeos tendo como origem a região sanitária do Pantanal e destinados às regiões sanitárias do Planalto, Pantanal ou ZAV;

c) de bovídeos tendo como origem a região sanitária da ZAV e destinados às regiões sanitárias do Planalto, Pantanal ou ZAV;

II – Trânsito Interestadual:

a) de bovídeos com origem nas regiões sanitárias do Planalto, Pantanal ou ZAV destinados a outros estados da federação;

b) de bovídeos com origem em outros estados da federação, destinados às regiões sanitárias do Planalto, Pantanal ou ZAV

III – Trânsito Internacional

a) de bovídeos com origem nas regiões sanitárias do Planalto, Pantanal ou ZAV, destinados a outros países;

b) de bovídeos com origem em outros países, destinados às regiões sanitárias do Planalto, Pantanal ou ZAV;

A portaria estabelece que o trânsito de bovídeos de qualquer das três modalidades só será permitido quando os animais estiverem acompanhados da GTA (Guia de Trânsito Animal). A GTA será emitida quando for comprovada a vacinação dentro do prazo já estabelecido pela Iagro.

A participação de animais da região pantaneira em feiras, exposições, leilões e outras aglomerações de animais na região do Planalto fica sujeita à Legislação vigente nesta última, sem prejuízo dos prazos estabelecidos nos itens anteriores.