Trabalhar em conjunto com o setor exportador de produtos do agronegócio brasileiro, com o objetivo de expandir a participação do Brasil no comércio exterior. Esta é a proposta da Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio (SRI) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) em discussão, nesta quinta-feira (24/01), na Superintendência Federal de Agricultura de São Paulo, com exportadores dos setores de carnes, cereais, laticínios, café, frutas, mel, vinhos, couros e outros produtos.

“A proposta é fazer uma sintonia fina entre as prioridades do setor privado exportador e as ações de governo, com vistas a definir estratégias de ação para a manutenção, abertura ou reabertura de mercados de interesse para o agronegócio brasileiro”, explicou o secretário de Relações Internacionais do Agronegócio, Célio Porto.

Para o evento, a SRI preparou estudos e indicadores com informações sobre o ranking dos 20 países que mais compram produtos agropecuários e os que apresentam indicadores positivos para abertura de mercado aos exportadores brasileiros. Além disso, incluem a listagem das barreiras sanitárias e fitossanitárias, que impedem o comércio, e o rol das principais feiras internacionais de produtos agropecuários e alimentos industrializados.

Além de ouvir de cada setor as prioridades para 2008, pretende-se definir uma forma de troca permanente de informações entre governo e setor privado, para orientar ações dos negócios internacionais ou promoção comercial. A partir deste debate, será elaborada uma proposta de prioridades do Mapa para este ano na área internacional e definido um calendário das missões brasileiras ao exterior, que conciliem aspectos institucionais, técnicos e comerciais.

Números e principais produtos exportados – Ao analisar a série histórica de exportações entre os anos de 2000 e 2007, as vendas externas de produtos do agronegócio brasileiro saltaram de US$ 20,6 bilhões para US$ 58,4 bilhões, um crescimento de 183,4%. A elevação do saldo comercial da balança do agronegócio no período analisado também é um item de destaque. O resultado cresceu 235,8%, passando de US$ 14,8 bilhões, em 2000, para a marca histórica de US$ 49,7 bilhões no ano passado.

As carnes (bovina, de frango e suína) e o complexo soja são os setores que mais vêm contribuindo para o bom desempenho da balança do agronegócio. Em 2000, o Brasil exportou US$ 4,2 bilhões de soja e seus subprodutos e, em 2007, esse número pulou para US$ 11,4 bilhões, incremento de 171,3%. O setor de carnes cresceu bem mais nesse período, passando de US$ 2 bilhões para US$ 11,3 bilhões: aumento de 477%.

Os Principais destinos das exportações – A União Européia é o maior comprador de produtos agropecuários o Brasil e, no ano passado, foi responsável por 35,8% das exportações brasileiras. Ao todo, foram vendidos US$ 20,8 bilhões em produtos do agronegócio aos 27 países que compõem o bloco europeu. Um aumento de 31,1% em relação a 2006, quando foram vendidos US$ 15,9 bilhões.

Em segundo lugar, estão os países do bloco asiático, que compraram US$ 11,2 bilhões em 2007, seguidos pelas bandeiras que integram o Nafta, US$ 7,3 bilhões; o Oriente Médio, US$ 4,7 bilhões; África, US$ 3,8 bilhões; América Latina – excluídos os países do Mercosul – US$ 2,6 bilhões e Mercosul, US$ 1,7