Em nota divulgada agora há pouco em Brasília, o presidente da Frencoop (Frente Parlamentar do Cooperativismo), deputado federal Odacir Zonta, condenou a cobrança do IOF (Imposto sobre Operações Financeiras) nas operações de crédito rural.

Como uma das principais lideranças da bancada ruralista da Câmara dos Deputados, Zonta lembrou que , em 2007, após muita discussão, a bancada conseguiu reduzir a taxa de juros ao produtor rural. Agora, este ano, a incidência do IOF anula, na prática, a redução anterior. A bancada quer a suspensão da cobrança das parcelas de investimento a vencer em janeiro, fevereiro e março deste ano até que seja estendido para 2008 o bônus de adimplência – que varia de 5% a 15% – que vigorou em 2007. Se o governo mantiver a decisão, IOF também incidirá em 0,38% sobre os empréstimos de custeio, comercialização da safra e investimentos. Estas operações tinham alíquota zero.

Empréstimos em cooperativas de crédito, que eram isentas, também passam a pagar o imposto. As operações de crédito para exportação, os financiamentos do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) e os empréstimos para compra de máquinas e equipamentos passarão a pagar também a alíquota de 0,38% sobre o valor total da operação. Serão taxados ainda os empréstimos do programa Finame para a compra de máquinas e equipamentos utilizados na modernização das empresas. A tributação recairá também sobre os valores de ACC (Adiantamento de Contrato de Câmbio de exportação), instrumento utilizado por produtores que exportam diretamente, sem intermédio de tradings.