Os pecuaristas já estão pedindo providências porque consideram impossível, no caso de Mato Grosso, auditar todas as 1,791 mil propriedades que fazem parte do Sisbov e estão na área habilitada para a União Européia. No início da reunião, o que os representantes do setor queriam era a prorrogação do prazo de entrega da lista à União Européia de 31 de janeiro para 15 de março. Diante da negativa do Ministério, os pecuaristas solicitaram então que após o dia 31 possam ser encaminhadas novas listas com as propriedades que forem sendo auditadas.

O Mapa vai tentar acordo com a União Européia sobre o assunto, mas se não conseguir, se comprometeu com o segmento mato-grossense a trazer a relação de volta. Pereira destaca que os órgãos governamentais não têm estrutura, pessoal e nem recursos suficientes para terminar a auditagem em tão pouco tempo. Ele destaca ainda o período de chuva, o que dificulta o trabalho. Para fazer a auditoria, todo o gado das propriedades deve estar no curral para que os brincos possam ser verificados. A auditagem do Sisbov foi uma exigência da missão da Comunidade Européia que esteve no país, em novembro passado.

Conforme o deputado, Mato Grosso quer vender para o mercado interno, mas também precisa continuar as exportações de carne e o mercado europeu é importante. Ele acredita que a União Européia não vá impor restrições ao envio de outras listas posteriormente, porque “precisa da nossa carne”. “Nós queremos agradar o cliente, mas também não podemos nos submeter a tudo que eles querem”.

Pereira destaca que outras 600 propriedades de Mato Grosso já sofrem injustiça porque, apesar de estarem no Sisbov, encontram-se em áreas não habilitadas para exportação à UE. O setor quer evitar agora que as propriedades com Sisbov na área habilitada fiquem fora da lista por falta de tempo para passar pela auditoria.