Vendas externas atingem US$ 2,9 bilhões em fevereiro; importações crescem 15% e chegam a US$ 444 milhões

A balança comercial do agronegócio registrou em fevereiro exportações de US$ 2,887 bilhões, alta de 3,8% em relação ao mesmo mês no ano passado. É o maior valor registrado na série histórica de fevereiro. As importações aumentaram 15,4% e alcançaram US$ 443,6 milhões. Com isso, o superávit foi de US$ 2,443 bilhões, também o melhor para fevereiro.

O recorde nas exportações foi atingido mesmo com queda em dois dos três principais grupos de produtos vendidos pelo Brasil. O complexo soja (grãos, farelo e óleo) teve recuo de 3,2% em relação a fevereiro do ano passado; já açúcar e álcool recuou 2,7%.

O complexo carnes, produto mais vendido pelo Brasil nos dois primeiros meses do ano, cresceu 6% e passou de US$ 527 milhões para US$ 559 milhões. Mesmo com a queda no preço médio de 3%, as receitas com carne bovina “in natura” aumentaram de US$ 140 milhões para US$ 154 milhões, já que houve um incremento de 13,7% nos embarques.

Já a carne de frango “in natura” registrou queda na quantidade exportada de 9,7%, mas, como os preços foram 13% superiores aos do ano passado, houve um aumento da receita de 2,6%.

Para o chefe do departamento de comércio exterior da CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil), Antônio Beraldo, a queda nas exportações de frango reflete a queda do consumo do produto na Europa, grande mercado do Brasil, por causa da gripe aviária. A Abef (Associação Brasileira dos Produtores e Exportadores de Frango) foi procurada, mas não se manifestou.

Outros produtos que também contribuíram para o incremento das exportações foram fumo (22,4%), papel e celulose (18,3%), couros (15%) e café (14%).

Apesar de registrar recordes, os resultados da balança comercial do agronegócio de fevereiro são preocupantes, diz a CNA. “Há uma redução do dinamismo das exportações”, disse Beraldo, citando o crescimento de 23,4% em fevereiro de 2005 em comparação com o mesmo mês de 2004.

Ele avalia que, na melhor das hipóteses, o Brasil igualará as exportações de 2005, de US$ 43,6 bilhões. Segundo o Cepea (Centro de Estudos Avançados de Economia Aplicada), o Brasil triplicou o volume dos produtos do agronegócio exportados entre 2000 e 2005, dobrando a receita.