Dicas de Organização Administrativa para Pequenos Produtores

Quando falamos em pequenas produções agrícolas, geralmente nos vem à cabeça um cenário de agricultura familiar: os pais fazem o que os pais fizeram antes deles, esperando que os filhos possam fazer exatamente o mesmo trabalho quando os pais já estiverem incapacitados de tocar uma plantação ou criação, e assim por diante.

Acontece que no mundo moderno nem sempre os filhos dos pequenos produtores querem seguir os passos dos pais – e, mesmo se quiserem, muitas vezes o convívio familiar não basta para entender os processos de gestão de uma produção que pode ter crescimento e maior significação no futuro.

A dica e a chave que os pequenos produtores tenham uma boa organização administrativa para que o avanço tecnológico e a gestão de crescimento seja positiva principalmente no que concerne a pequenas produções de animais, uma vez que as grandes empresas do ramo dominam o mercado internacional mas não necessariamente se preocupam com a subsistência do mercado interno.

Aí é que vive a oportunidade de pequenos produtores de animais, de trigo e outros grãos, e de frutas, para aquecer o mercado brasileiro e crescer com o passar do tempo.

Dicas para o produtor rural

Para que o produtor rural de pequeno porte esteja sempre dentro dos padrões de crescimento e sustentabilidade, é preciso que a gestão da propriedade rural seja feita de forma segura, desenvolvimentista e atuante.

Ninguém nasce sabendo um ofício, e na agricultura familiar, onde um costume é passado por várias gerações (às vezes carregando muito tradicionalismo), boas práticas podem ser passadas juntamente com outras práticas nem tão boas assim.

A dica, nesse caso, é que os produtores, sejam eles de agricultura familiar ou não, procurem por cursos rápidos (e muitas vezes gratuitos, fornecidos pelas secretarias de agricultura municipais e estaduais) de gerenciamento de propriedade, pessoal e recursos tecnológicos.

Afinal, para colocar no mercado um bom preço do trigo, ou do gado, ou da soja, ou do que for produzido pelo pequeno produtor, de forma a gerar mais lucro em menos tempo, é preciso estudar um pouco as novas nuances do mercado interno e os processos que levam à otimização de seus serviços.

Reza o senso comum dos grandes gestores que o pequeno produtor deve, sempre, almejar ser grande, e cair de cabeça na gestão empreendedora de seu negócio.

Alguns programas, como o “Negócio Certo Rural”, são gratuitos e fornecem as ferramentas necessárias para que o produtor entenda o empreendedorismo, sua importância, a importância da inovação de suas atividades e o planejamento correto da sua administração de negócios com conteúdos básicos, estruturados em etapas, para que ninguém se perca durante o processo.

É importante ressaltar que para fazer esses tipos de cursos Brasil afora não é preciso ser administrador ou gestor por formação universitária, já que nos rincões do Brasil a agricultura e pecuária se fazem pelo conhecimento tácito, e não por conta de um diploma de faculdade.

A única coisa que o pequeno produtor de grãos ou de gado deve ter para participar das capacitações é vontade de aprender e desprendimento de se livrar de técnicas ultrapassadas que podem ser um problema para o desenvolvimento de sua unidade de negócios.

O foco é sempre crescer, mesmo em pequenas áreas de produção e com pouco pessoal para mão de obra. Dá para ser feliz em um mundo onde o que você produz, na quantidade que você produz, abastece o que deve abastecer da sociedade e, principalmente, o bolso de quem dedica a vida a uma atividade tão nobre quanto a agricultura.