O plantio de culturas para consumo humano e animal, como soja, arroz, milho e outros produtos, até mesmo os que são cultivados em hortas – hortaliças e verduras – exige diferentes tipos de safras, cuidados e atitudes para que o investimento não se perca. Por isso, muitas dúvidas sobre técnicas surgem para o agricultor. Qual a melhor forma de preparar o solo, cultivar plantas e qual melhor tipo de produto para conter pragas? É nessa empreitada que o profissional formado em Agronomia pode ajudar.

Por se tratar de um sistema complexo, é exigido que o agrônomo tenha um conhecimento mais amplo e domínio de todas as fases do sistema, envolvendo o manejo de mais de uma cultura e, muitas vezes, uma associação de agricultura e pecuária. Dentro desse “mundo” de coisas, existem vários tipos de tipos de culturas, como o plantio direto, que é uma técnica de cultivo sustentável. Nessa técnica, é necessário manter o solo sempre coberto por plantas em desenvolvimento e por resíduos vegetais.

cultura sustentável

Também existe, por exemplo, a técnica da rotação de culturas, onde em diversos tipos de grãos são plantados para que os nutrientes da terra fiquem sempre variados e a terra não se desgaste por um plantio exaustivo. As técnicas são muitas e devem atender ao que o agricultor espera, mas diante da demanda de conservação ambiental que existe hoje, é essencial consultar um agrônomo para que a intenção de um bom plantio não vire prejuízo, para quem planta e para quem consome.

A erosão, a compactação e o aumento da salinidade do solo são os maiores problemas relacionados ao manejo inadequado e terão relação direta com a escassez de alimentos num futuro não muito distante, resultando num profundo desequilíbrio do sistema produtivo, se práticas corretas não forem adotadas.

 

As áreas com manejo inadequado reduzem significativamente seu potencial de produção, então um profissional com a formação adequada para evitar essas perdas pode ser um grande ganho.