As vendas externas cresceram 17%, aumentando de US$ 1,87 bi para US$ 2,19 bilhões, segundo dados do Centro das Indústrias de Curtumes do Brasil (CICB); hoje, o País é segundo maior produtor e o quarto exportador de couros do mundo.

“Esse resultado é histórico, por romper a barreira dos US$ 2 bilhões, e emblemático, já que pela primeira vez a contribuição foi 15% maior do que o setor de calçados para a geração de divisas ao País”, destaca o presidente do CICB, Luiz Bittencourt.

O desempenho é reflexo da estratégia da indústria curtidora, cada vez mais focada nos mercados de maior valor agregado (peças semi-acabadas e acabadas), como os setores automotivo e de móveis, que hoje demandam mais de 60% da produção nacional.

Para 2008, a expectativa é de que o mercado internacional continue aquecido e o setor curtidor continue a gerar crescentes divisas ao País. “Apesar da redução prevista, de 5% a 10% no abate para a reposição do rebanho bovino, a indústria brasileira deverá se expandir por meio da compensação de preços”, estima Bittencourt.

Destinos e estados – O balanço das vendas externas dos estados brasileiros, de janeiro a dezembro de 2007, ante o acumulado anterior, indica que São Paulo continua na liderança estadual (US$ 777,54 milhões, participação de 35.44% e aumento de 25%), seguido pelo Rio Grande do Sul (US$ 530,28 milhões, participação de 24,17% e crescimento de 5%), Ceará (US$ 144,45 milhões, 6,58% e elevação de 13%), Paraná (US$ 135,33 milhões, 6,17% e expansão de 34%). Os demais estados no ranking nacional são Mato Grosso do Sul, Bahia, Goiás e Mato Grosso.

No ano passado, os principais destinos do couro brasileiro foram China – incluindo Hong Kong – com 33%, Itália, com 28% e Estados Unidos, com 11%.