Foram confirmados novos casos de ferrugem asiática da Soja no Estado de Mato Grosso. Os mini-laboratórios da Associação dos Produtores de Soja de Mato Grosso (Aprosoja) divulgaram na sexta-feira (18-01) a existência de um foco da doença em Água Boa, ao Leste do Estado.

As amostras de folhas analisadas pelo minilaboratório de Canarana, núcleo que atende a região de Água Boa (localizado a 749 km da capital), foram levadas por Anderson Luis Martins e Thiago Pfeifer, agrônomos que prestam assistência técnica na região. O laudo foi posteriormente confirmado pelo laboratório credenciado de Primavera do Leste. “Com a confirmação do foco, o produtor aplicou fungicida em toda plantação e as áreas vizinhas já foram vistoriadas”, disse Pfeifer.

A presença da doença também foi confirmada em Sorriso e Itaúba, municípios próximos a Sinop, região Norte do Estado, e em Campo Verde, ao Sul de Mato Grosso. Até o momento foram confirmados sete focos de ferrugem no Estado.

“Os produtores devem ficar atentos, pois a doença está presente em todas as regiões. Em caso de suspeita, devem recolher as amostras e procurar os mini-laboratórios”, alerta Camilo Ramos, supervisor de campo da Aprosoja na região Leste.

O projeto Anti-ferrugem, desenvolvido pela Aprosoja e lançado em dezembro de 2007, surgiu para suprir a necessidade de monitoramento e prevenção da doença, visto que, na safra anterior, a ferrugem asiática causou prejuízo para os produtores de Mato Grosso.

A associação disponibilizou, além dos 17 mini-laboratórios, um sistema de alerta em seu site institucional para que o produtor acompanhe a evolução da doença.