Suíno vivo
Os criadores de suínos do estado de São Paulo conseguiram, nesta quarta-feira (30) , a manutenção nos preços praticados em relação ao dia anterior. Em Itobi, região de São José do Rio Pardo, criadores praticaram preços em R$ 48,50@ = R$ 2,59/Kg vivo. Em Pirassununga, negócios foram fechados em R$ 48,00@ = R$ 2,56/Kg vivo. Já em Neves Paulista, os criadores negociaram em R$ 45,00@ = R$ 2,40/Kg vivo. Na opinião da APCS, é só passar o carnaval para retomada no consumo e consequentemente os preços deverão firmar no mercado paulista, salienta Ferreira Júnior, presidente da APCS. (Suinos.com)

GO R$2,75
MG R$2,75
SP R$2,88
RS R$2,33
SC R$2,30
PR R$2,20
MS R$2,30
MT R$2,15

Frango vivo
Embora hoje seja quinta-feira, o melhor dia de negócios para o frango vivo comercializado no interior paulista, é pouquíssimo provável haver melhora nos preços do produto. Aparentemente e na melhor das hipóteses, deve se manter a cotação atual de R$1,45/kg, que vem desde 22 de janeiro. Isso ocorrendo, o frango vivo encerra o primeiro mês de 2008 com um preço inferior ao registrado há exatamente um ano quando, em caminho totalmente inverso, passou de R$1,45/kg para R$1,50/kg, valor com que fechou janeiro de 2007. Tão ou mais importante, porém, é que essa reversão não parou aí: prosseguiu nos primeiros dias de fevereiro até alcançar, no dia 9, o valor de R$1,85/kg – a mais alta cotação do ano que passou e que permaneceu inalterada, na ocasião, por mais de três semanas, voltando a ser praticada novamente só no mês de agosto, por breves quatro semanas. Como os recuos enfrentados pelo frango neste mês se concentraram na segunda quinzena, o preço médio do período deverá ficar cerca de 14% acima da média registrada em janeiro de 2007. Dificilmente, porém, isso voltará a se repetir em fevereiro,pois, diante da situação atual, a tendência é de um preço médio até 15% inferior ao de fevereiro do ano passado. Esse, aliás, corresponderá ao segundo resultado negativo anual num espaço de 15 meses, visto que em outubro de 2007 o preço médio do frango vivo (R$1,60/kg) ficou 9% abaixo da média alcançada um ano antes (R$1,76/kg em outubro de 2006). Agora, porém, as perspectivas são piores. (AviSite)

SP R$1,45
CE R$2,40
MG R$1,60
GO R$1,45
MS R$1,45
PR R$1,70
SC R$1,50
RS R$1,50

Ovos
A falta de ovos, tanto na base de produção como no atacado, deu sustentação para a alta de preços ontem. Como a produção não consegue atender a demanda, o mercado de ovos deve operar em alta nos próximos dias. Cif São Paulo jumbo R$45,70, extra R$42,70, grande R$41,70, médio R$39,70 e pequeno R$29,70. (Ovo Online)

Ovos brancos
SP R$42,70
RJ R$44,00
MG R$44,00
Ovos vermelhos
MG R$46,00
RJ R$46,00
SP R$44,70

Boi gordo
Ontem, o Mapa confirmou a suspensão das exportações de carne bovina in natura para a UE, que não concordou com a lista de propriedades aptas à exportar elabora pelos técnicos do ministério. O bloco não aceitará o produto brasileiro até que uma missão de técnicos europeus venha ao Brasil e inspecione as propriedades listadas, segundo o Mapa esta delegação virá ao país no final de fevereiro. Com a suspensão das vendas para o nosso melhor cliente, o mercado se agitou, nesta quarta-feira, alguns frigoríficos ficaram fora das compras e outros já tentavam recuos maiores nas ordens de compra. O indicador Esalq/BM&F boi gordo à vista foi cotado a R$ 74,82/@, queda de R$ 0,32. Já o indicador a prazo apresentou recuo de R$ 0,25, sendo cotado a R$ 75,64/@. Na BM&F todos os vencimentos fecharam em baixa. Janeiro/08, que encerra hoje, fechou a R$ 74,94/@, baixa de R$ 0,16, com 1.068 contratos negociados e 3.644 contratos em aberto. O próximo vencimento, fevereiro/08, apresentou variação negativa de R$ 2,24, fechando a R$ 69,00/@, com 7.216 contratos negociados e 8.992 contratos em aberto. Os contratos com vencimento em outubro/08 fecharam a R$ 71,88/@ (-R$ 1,65). No mercado físico, os frigoríficos ou estão fora das compras ou adquirindo volumes menores, a espera de uma melhor definição do mercado. As escalas ainda seguem curtas, mas as indústrias têm reduzido suas ordens de compra forçando novos recuos nas cotações do boi gordo. De acordo com as cotações levantadas pelo BeefPoint, foram registradas baixas em SP, MS, MT, GO, PR e RS. No atacado da carne bovina, os preços seguem firmes. O traseiro permaneceu estável, cotado a R$ 5,50, enquanto o dianteiro (R$ 3,50) e a ponta de agulha (R$ 2,90) tiveram alta de R$ 0,10. O equivalente físico registrou alta de 1,20%, sendo calculado em R$ 65,73/@, fazendo o spread (diferença) entre indicador de boi gordo e equivalente físico cair para R$ 9,09/@. O indicador Esalq/BM&F bezerro MS à vista foi cotado a R$ 500,11/cabeça, alta de R$ 0,87. Com o indicador de boi gordo recuando 0,43% e a cotação do bezerro tendo valorização de 0,17%, a relação de troca recuou para 1:2,47. (BeefPoint)

Triangulo MG R$71,50
Goiânia GO R$68,00
Dourados MS R$68,00
C. Grande MS R$65,00
Três Lagoas MS R$68,00
Cuiabá MT R$65,00
Marabá PA R$60,00
Belo Horiz. MG R$54,00

Soja
O mercado futuro da soja encerrou o pregão noturno desta quinta-feira com redução na Bolsa de Chicago (CBOT), sustentando apenas o mais longo prazo, informa o Rural Business. A posição mar/08, a de maior liquidez no momento, finalizou a sessão com recuo de 3,75 pontos, cotada a US$ 1.272,00 cents/bushel, ou algo próximo a US$ 28,04 por saca, depois de ter testado máxima de US$ 1.276,75 cents/bushel e mínima de US$ 1.269,50 cents/bushel, operando num range de 7,25 pontos. Enquanto isso, o vencimento mai/08, que norteia a nova safra brasileira, fechou no patamar de US$ 1.287,50 cents/bushel (US$ 28,38 a saca), com queda de 6,50 pontos. Já o contrato jul/08 terminou os trabalhos negociado a US$ 1.302,00 cents/bushel (US$ 28,70 por saca), registrando desvalorização de 5,25 pontos.

Já o mercado futuro do farelo de soja finalizou o pregão noturno desta quinta-feira com resultados mistos na Bolsa de Chicago (CBOT), de acordo com o Rural Business. O vencimento mar/08, o de maior liquidez, caiu US$ 1,20/ton e encerrou os trabalhos negociado a US$ 341,50/ton, depois de ter testado máxima de US$ 342,60/ton e mínima de US$ 340,40/tn. (Rural Business)

Físico – saca 60Kg – livre ao produtor
R. Grande do Sul (média estadual) R$47,00
Goiás – GO (média estadual) R$45,00
Mato Grosso (média estadual) R$41,50
Paraná (média estadual) R$47,50
São Paulo (média estadual) R$45,50
Santa Catarina (média estadual) R$46,00
M. Grosso do Sul (média estadual) R$44,00
Minas Gerais (média estadual) R$44,50

Milho
O mercado futuro do milho encerrou o pregão noturno desta quinta-feira com redução na Bolsa de Chicago (CBOT). O mercado futuro do milho encerrou o pregão noturno desta quinta-feira com redução na Bolsa de Chicago (CBOT), conforme o Rural Business. O contrato mar/08, o de maior liquidez hoje, caiu 3,75 pontos e fechou a sessão cotado na mínima de US$ 494,75 cents/bushel (US$ 11,69 por saca), depois de ter testado máxima de US$ 498,00 cents/bushel, operando num range de 3,25 pontos. (Rural Business)

Físico – saca 60Kg – livre ao produtor
Goiás (média estadual) R$23,00
Minas Gerais (média estadual) R$24,50
Mato Grosso (média estadual) R$20,50
M. Grosso Sul (média estadual) R$23,00
Paraná (média estadual) R$25,00
São Paulo (média estadual) R$29,50
Rio G. do Sul (média estadual) R$25,00
Santa Catarina (média estadual) R$27,00