Suíno vivo
O preço pago ao produtor do suíno tipo carne no Rio Grande do Sul, após uma longa série de altas, apresentou sua primeira queda de preço do ano. Queda esta apontada pelo levantamento de preços realizado pela Emater – RSASCAR. A redução foi na ordem de 3,67% no preço médio praticado no mercado estadual. Passando o preço médio do produto de R$ 2,45 para R$ 2,36 o quilo vivo. A retração no consumo, após as festas de final de ano, período em que tradicionalmente ocorre um aumento no consumo de produtos suinícolas, pode ser uma das causas desta diminuição dos preços pagos. (Suíno.com)

GO R$3,25
MG R$2,85
SP R$3,04
RS R$2,35
SC R$2,50
PR R$2,60
MS R$2,40
MT R$2,25

Frango vivo
Dados preliminares divulgados no final da semana passada pelo Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) indicam que a produção de carne de frango do país permaneceu estável em 2007, apresentando incremento inferior a meio por cento. Situação não muito diferente pode prevalecer em 2008, já que por ora está sendo previsto um aumento de produção de apenas 2,7%, o que representaria 437 mil toneladas adicionais de carne de frango em relação ao ano que passou. No tocante à exportação, o USDA estima que aumentou 9,5%, chegando aos 2,586 milhões de toneladas (projeção efetuada a partir da média alcançada entre janeiro e outubro de 2007 – 2,155 milhões de toneladas). Mas a expansão observada – prevê o órgão – pode ser bem menor em 2008. Assim, o incremento por ora projetado é de apenas 1,3%, o que elevaria as exportações de carne de frango dos EUA para cerca de 2,620 milhões de toneladas. O consumo total, por fim, deve se manter estável, num volume próximo (mas ainda inferior) aos 14 milhões de toneladas. Cerca de 1,5% superior ao estimado para 2007, o consumo per capita estimado para este ano pode, a despeito da expansão anual, permanecer inferior ao registrado em 2006. (AviSite)

SP R$1,55
CE R$2,35
MG R$1,70
GO R$1,55
MS R$1,55
PR R$1,80
SC R$1,70
RS R$1,70

Ovos
O mercado de ovos inicia a semana com preços baixos. A aceleração dos descartes e o aumento da demanda contribuiram para diminuição das sobras do produto na base de produção. Os produtores continuam enfrentando dificuldades devido aos altos custos de produção. Cif São Paulo jumbo R$42,70, extra R$39,70, grande R$38,70, médio R$35,70 e pequeno R$24,70. (Ovo Online/Mercado do Ovo)

Ovos brancos
SP R$39,70
RJ R$40,00
MG R$40,00
Ovos vermelhos
MG R$42,00
RJ R$42,00
SP R$41,70

Boi gordo
O mercado do boi gordo continua firme. Na sexta-feira, o indicador Esalq/BM&F boi gordo à vista foi cotado a R$ 74,80/@, alta de R$ 0,22. Já o indicador a prazo, registrou alta de R$ 0,41, sendo cotado a R$ 75,79/@. Na BM&F, todos os vencimentos apresentaram variação positiva. Janeiro/08 fechou a R$ 73,91/@, alta de R$ 0,33, com 2.044 contratos negociados e 6.552 contratos em aberto. Os contratos com vencimento em fevereiro/08, apresentaram variação positiva de R$ 0,40, fechando a R$ 71,70/@. No mercado físico a oferta ainda é reduzida e os frigoríficos trabalham com escalas curtas. Grandes frigoríficos paulistas, reportam dificuldade para comprar e seguem se abastecendo com bois do MS, onde a disponibilidade de animais terminados é um pouco melhor. No atacado, os cortes primários permaneceram estáveis, com o traseiro cotado a R$ 5,90, dianteiro a R$ 3,60 e ponta de agulha a R$ 3,10. O equivalente físico foi calculado em R$ 69,59/@. Com a valorização do indicador de boi gordo, o spread aumentou, ficando em R$ 5,22/@. O spread é a diferença entre o indicador de boi gordo e o equivalente físico, quanto maior for o spread, menor será a margem bruta do frigorífico. O indicador Esalq/BM&F bezerro MS à vista teve valorização de R$ 3,99, sendo cotado a R$ 491,43/cabeça. Na sexta-feira, a valorização de 0,82% no preço do bezerro, fez a relação de troca recuar para 1:2,51. (BeefPoint)

Triangulo MG R$70,50
Goiânia GO R$72,00
Dourados MS R$70,00
C. Grande MS R$67,00
Três Lagoas MS R$71,00
Cuiabá MT R$65,00
Marabá PA R$61,00
Belo Horiz. MG R$54,00

Soja
O mercado futuro da soja encerrou o pregão noturno desta segunda-feira com elevação na Bolsa de Chicago (CBOT), de acordo com o Rural Business. A posição mar/08, a de maior liquidez no momento, finalizou a sessão com avanço de 12 pontos, cotada a US$ 1.310,75 cents/bushel, ou algo próximo a US$ 28,90 por saca, depois de ter testado máxima de US$ 1.315,50 cents/bushel e mínima de US$ 1.296,25 cents/bushel, operando num range de 19,25 pontos. Enquanto isso, o vencimento mai/08, que norteia a nova safra brasileira, fechou no patamar de US$ 1.328,25 cents/bushel (US$ 29,28 a saca), com alta de 11,25 pontos. Já o contrato jul/08 terminou os trabalhos negociado a US$ 1.342,75 cents/bushel (US$ 29,60 por saca), anotando ganho de 12 pontos.

Já o mercado futuro do farelo de soja finalizou o pregão noturno desta segunda-feira com ganho na Bolsa de Chicago (CBOT), pressionando negativamente apenas a posição mar/08, informa o Rural Business. O vencimento mar/08, o de maior liquidez, caiu US$ 0,20/ton e encerrou os trabalhos negociado a US$ 358,40/ton, depois de ter testado máxima de US$ 361,00/ton e mínima de US$ 355,90/ton. (Rural Business)

Físico – saca 60Kg – livre ao produtor
R. Grande do Sul (média estadual) R$45,00
Goiás – GO (média estadual) R$44,00
Mato Grosso (média estadual) R$42,50
Paraná (média estadual) R$46,00
São Paulo (média estadual) R$46,00
Santa Catarina (média estadual) R$46,00
M. Grosso do Sul (média estadual) R$41,50
Minas Gerais (média estadual) R$44,00

Milho
O mercado futuro do milho encerrou o pregão noturno desta segunda-feira com fortíssimo ganho na Bolsa de Chicago (CBOT), com o vencimento mar/08 rompendo resistência de US$ 5 bushel, aponta o Rural Business. O contrato mar/08, o de maior liquidez hoje, subiu 15,50 pontos e fechou a sessão cotado a US$ 510,50 cents/bushel (US$ 12,06 por saca), depois de ter testado máxima de US$ 512,75 cents/bushel e mínima de US 503,00 cents/bushel, operando num range de 9,75 pontos. (Rural Business)

Físico – saca 60Kg – livre ao produtor
Goiás (média estadual) R$28,00
Minas Gerais (média estadual) R$29,50
Mato Grosso (média estadual) R$24,00
M. Grosso Sul (média estadual) R$26,00
Paraná (média estadual) R$28,00
São Paulo (média estadual) R$33,00
Rio G. do Sul (média estadual) R$28,50
Santa Catarina (média estadual) R$29,00