Ainda na região Norte do Estado, lavouras de Nova Mutum, Sapezal, Campos de Júlio, Trivelato, Tapurá e Sorriso também já começaram a colher grãos de soja. O atraso fica por conta das regiões Sul e Leste – Grande Rondonópolis, Itiquira, Primavera do Leste e Campo Verde – que iniciaram o plantio mais tarde e só devem começar a colher a partir do final deste mês e início de fevereiro.

Com 33 mil hectares de soja plantadas em quatro municípios – Lucas do Rio Verde, Santa Rita do Trivelato, Tapurá e Sorriso – o produtor Orcival Guimarães se diz otimista com a colheita das lavouras de soja e aposta em uma boa produtividade na safra 2007/08. “O tempo, não muito chuvoso, está favorecendo o trabalho das máquinas e a colheita vai de vento em popa”, afirma o sojicultor.

A soja que está sendo colhida por Orcival foi plantada no final de setembro e começo de outubro. “Plantamos um pouco mais cedo, aproveitando as primeiras chuvas. Felizmente, estamos constatando que apesar do veranico no começo do plantio o rendimento está dentro das nossas expectativas. Não é um super-rendimento, claro, mas não é ruim, principalmente se levarmos em conta que foi plantada muito cedo e está sendo colhido num período de chuvas”, conta o produtor.

Orcival diz que as perdas foram insignificantes e serão compensadas com ganho de preço e na produtividade da segunda safra. Até agora, já foram colhidas 10 mil hectares de soja nas lavouras de Orcival, o equivalente a mais de 30% da área plantada. “A colheita vai bem. Até agora não tivemos problemas e a nossa previsão é concluir este trabalho até o final deste mês”, estima.

A expectativa do sojicultor é iniciar o plantio da segunda safra de soja a partir de 1 de fevereiro. Com lavouras em várias regiões do Estado, o grupo Scheffer também já deu largada à colheita de soja precoce. “Estamos com apenas 4% da área colhida”, informa Guilherme Scheffer. O grupo plantou este ano 30 mil hectares e deu início à colheita nas regiões de Sapezal e Campos de Júlio. “Começamos a colher agora”, esclarece Guilherme, revelando que a área não chega a 3 mil hectares. A previsão dele é concluir a colheita da soja superprecoce até o final desta semana e, o restante, em fevereiro.

A produtividade, segundo ele, está dentro do esperado. “Começamos com 45, 47 sacas por hectares, nos primeiros talhões, e hoje estamos com média de 52 sacas. A nossa expectativa é fechar a primeira safra de soja com produtividade média de 55 sacas”, prevê. Outra região que já está com a colheita em andamento é Nova Mutum.

“Também estamos iniciando [a colheita] agora”, conta o agrônomo Agmar Lima, que fornece assistência técnica a nove fazendas na região Norte de Mato Grosso – Nova Maringá, Lucas do Rio Verde, Diamantino, São José do Rio Claro e Nova Mutum – abrangendo uma área total de 30 mil hectares. No Norte, as regiões da Grande Sinop (Sorriso, Cláudia, Vera, Santa Carmem e Tabaporã) vão iniciar a colheita na próxima semana, como informa o agrônomo Mairson Santana.

Na região Sul, o atraso fica com as lavouras da região da Grande Primavera, Rondonópolis e Itiquira. “Começamos a plantar mais tarde e vamos colher com pequeno atraso”, diz Marcos Antônio Marcelino, da Fazenda Itaquerê, localizada no município de Novo São Joaquim, região da Grande Primavera. A Itaquerê plantou este ano 5 mil hectares de soja e a previsão é começar a colher a partir do próximo dia 28.

Safrinha:

Os produtores estão apressando a colheita das sojas superprecoce e precoce para dar início ao plantio da safrinha de milho. Alguns produtores, como Orcival Guimarães, devem iniciar o plantio já na próxima semana. A expectativa é plantar 18 mil hectares até o próximo dia 28 de fevereiro. O Grupo Scheffer está preparando as máquinas para iniciar o plantio de 12 mil hectares de milho em fevereiro.