Showtec 2008, uma universidade a céu aberto. Foi esta a definição dada pelo diretor executivo da Fundação MS, Dirceu Luiz Broch, ao Showtec 2008, durante a cerimônia de lançamento do evento que reuniu, nesta quarta-feira (24/01), no auditório da Agraer (Agência de Desenvolvimento Agrário e Extensão Rural de Mato Grosso do Sul), o governador do estado André Puccinelli, a secretária de Desenvolvimento Agrário, Produção e Turismo, Tereza Cristina Corrêa da Costa Dias, o prefeito de Maracaju (MS), Maurílio Ferreira Azambuja, o presidente da Fundação MS, Nivaldo Krüger e ainda representantes de entidades de classe e diversos segmentos do agronegócio.

Promovido pela Fundação MS em parceria com o governo do Estado de Mato Grosso do Sul, através da Seprotur (Secretaria de Estado do Desenvolvimento Agrário, da Produção, da Indústria, do Comércio e do Turismo), a Famasul/Senar (Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul e Serviço Nacional de Aprendizagem Rural), a Cooagri (Cooperativa Agropecuária e Industrial) e o Sebrae, o Showtec tem como principal objetivo a difusão de novas tecnologias, aplicadas aos mais diversos setores da agricultura e da pecuária, visando a otimização dos sistemas de produção, a melhoria da rentabilidade do produtor rural e, por conseguinte, a sustentabilidade do agronegócio nacional.

As tecnologias apresentadas ao público durante o Showtec, resultam de estudos desenvolvidos nos principais centros de pesquisa agropecuária do estado, entre os quais a Embrapa Gado de Corte (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), de Campo Grande (MS), a Embrapa Agropecuária Oeste, de Dourados (MS). Algumas instituições de ensino do estado como a UNIGRAN (Universidade da Grande Dourados), a UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) e a UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados) também deram sua contribuição para a realização destes estudos e pesquisas.

Necessidades do setor
Segundo o presidente da Fundação MS, Nivaldo Krüger, “a grande vocação do nosso país e especialmente a do estado de Mato Grosso do Sul, é mesmo a produção agrícola e pecuária. Portanto, é necessário que nós, produtores rurais, alcancemos o máximo de produtividade em nossas propriedades para que possamos nos tornar realmente competitivos no mercado mundial de carne e grãos”.

Ele ressalta também a importância de se buscar e utilizar os avanços tecnológicos para garantir esse aumento de produtividade sem que haja a necessidade de expansão das fronteiras agrícolas. “Reafirmo que esse aumento de produtividade vai estar realmente embasado no uso da tecnologia que poderá inclusive recuperar grandes áreas degradadas, ocupadas pela pecuária, destinando-as à produção de grãos. O Brasil não precisa mexer na Amazônia para produzir mais”, lembrou Krüger.

O presidente da Fundação afirmou ainda que desde a última edição do Showtec, as necessidades da atividade pecuária têm merecido a atenção da organização. “Dessa vez vamos ter um giro tecnológico inteiramente voltado para a pecuária, através do qual se poderá constatar as vantagens da integração lavoura-pecuária. Serão evidenciados os benefícios dessa técnica tanto para as pastagens quanto para a produção de grãos”, explicou ele.

O evento
O diretor executivo da Fundação MS informa que nesta 11ª edição Showtec serão apresentadas cerca de 300 novas tecnologias. “Inovações sobre cultivares de soja convencional e transgênica; híbridos de milho e algodão; plantas para cobertura de solo; culturas de outono-inverno; plantio de oleaginosas para produção de biodiesel e de variedades de cana-de-açúcar para produção de etanol; plantio consorciado de milho safrinha e pastagens, de forrageiras, técnicas de reflorestamento, de integração lavoura-pecuária, serão apresentadas durante o evento, além de novidades referentes a defensivos, fertilizantes, máquinas e implementos agrícolas”, listou o diretor.

Broch destacou também a participação do CTC (Centro Tecnológico da Cana) de Piracicaba, (SP): “a equipe do CTC vai estar presente apresentando as novas variedades de cana desenvolvidas, oferecendo treinamento, ministrando mini-cursos para que o produtor rural disponha de todas as informações na hora de escolher o que planta. Trouxemos isso em função da expansão que o setor sucroalcooleiro do estado experimentou nesse último ano”, observou.

A interatividade com o público, que os giros tecnológicos oferecem também mereceu destaque do diretor. “O produtor rural é meio ‘São Tomé’; ele quer ver para crer, e a presença dos pesquisadores, dos professores das universidades nas estações dos giros, explicando cada etapa do processo, desperta o interesse do produtor pelo uso da tecnologia”, analisa.

Ainda segundo Dirceu Broch, a expectativa dos organizadores é de que durante os três dias do Showtec, cerca de pessoas 9 mil pessoas circulem pelos 12 hectares de área ocupada pelo evento, onde 85 expositores já confirmaram a presença e a colocação de stands.