A Argentina está há 21 meses sem registro de focos da doença.

O Serviço Nacional da Saúde e Qualidade Agroalimentária (Senasa) informa que está sendo desenvolvida a segunda etapa da campanha de vacinação de 2007, que inclui bovinos, bubalinos e todas as espécies susceptíveis localizadas na área da fronteira norte, nos estabelecimentos delimitados ao norte do Rio Colorado e com os países límítrofes ao Norte, Leste e Oeste, que recentemente foi reconhecido como a zona livre da doença com vacinação pela Organização Mundial de Epizootias (OIE).

Nesta campanha, a 14a. executada pelo Senasa desde abril de 2001, estima-se que sejam aplicadas mais de 60 milhões de doses da vacina. A vacinação, como estabelece o Plano Nacional de Erradicação da Febre Aftosa, estará a cargo dos agentes sanitários locais, com o controle sanitário do Senasa.

Recentemente, a OIE reconheceu as províncias do Rio Negro e quase a totalidade de Neuquén como território livre da febre aftosa sem vacinação. A região da Patagônia mantém este status desde 2001, incluindo as províncias de Chubut, Santa Cruz e Tierra del Fuego.