Vivemos um momento de crise, não dá para negar. Diversos setores da economia já sentiram a recessão e estão precisando se reinventar para permanecer no mercado. E acredite, isso está acontecendo em muitos setores mesmo.

A lógica é sempre assim: quando a coisa aperta, o essencial fica (comida, água, luz), algumas coisas dá pra segurar ou investir menos (roupas, calçados), outras, dá para substituir (plano de saúde pelo SUS, escolas particulares por públicas) e há ainda aquelas coisas que são totalmente deixadas de lado (presentes, lazer e viagens).

turismo rural

Este último setor anda sentindo bastante os efeitos da crise. Com a alta do dólar, muita gente que ia viajar para o exterior anda adiando os planos e optando para viagens dentro do país, o que acaba sendo uma coisa boa para os empresários locais.

O problema é que, a grande maioria da população que sempre viajava para dentro do país, estão cancelando suas viagens. É aí que as empresas do setor precisam pensar em novas estratégias para atrair e se diferenciar.

Um dos setores que está sentindo bastante é o turismo rural que está precisando se reinventar.

A verdade é que temos um Brasil imenso, com muitas oportunidades de viagem e lazer, o que precisamos é mostrar para o público que ele pode sim, investir em pequenos passeios e estadias mais curtas para relaxar.

Agregar serviços é outra forma de atrair visitantes. Por exemplo, um dia na fazenda, inclui atividades ao ar livre guiada para as crianças. Ou uma trilha ou alguns vouchers de boiacross. Ou ainda, o transporte compartilhado incluso.

As possibilidades são muitas, e na dúvida de como fazer, escute seu clientes, busque inspirações fora do país, faça testes e não deixe de investir em publicidade.

Em momentos de crise é hora de reduzir um pouco o lucro, mas continuar com uma frequência de vendas, continuar atraindo clientes.

Pesquisar novos públicos e entender as novas necessidades que surgem nesses momentos de crise, inovação é a chave para segurar as pontas e passar por cima.

Já parou para pensar sobre qual a origem da carne deliciosa que você come todos os dias na sua casa? Como esse animal tornou-se o seu alimento a partir de uma ampla cadeia produtiva, que precisa ser totalmente integrada para funcionar e crescer? Se você parou para refletir, saiba que a produtividade e a rentabilidade dessa imensa cadeia, tão importante no nosso cotidiano, passa pelas mãos e pelo conhecimento do profissional da Zootecnia, o zootecnista.

 

O desenvolvimento de produtos, além da carne, como ovos, leite e seus derivados, além da criação de rebanhos bovinos suínos, aves, ovinos e caprinos, tudo isso necessita de um zootecnista que trabalhe em parceria com outros profissionais da lida e também com o próprio empresário do agronegócio. Sem o seu conhecimento angariado em uma graduação com anos a fio de estudos, esse trabalho pode perder-se facilmente. O profissional da zootecnia também trabalha a gestão administrativa e o planejamento de sua gestão.

 

Um dos alicerces do agronegócio, o aprimoramento genético de novas raças, passa pelas mãos deste profissional, assim como a melhoria de modos de reprodução e a fabricação de produtos de saúde, vitaminas e rações para os animais, que se alimentando sempre melhor, gerarão crias melhores, serão melhor condicionados e assim por diante.

 

É possível dizer que o prejuízo de um agroempresário será sempre menor, e o lucro muito mais inteligente e autossustentável, se ele contar com um zootecnista atuando ao seu lado. Isso porque o zootecnista tem a capacidade de, através de ampla pesquisa, apontar soluções para esse empresário e agropecuarista, diante de inúmeras áreas dentro do campo. Ele aponta soluções com base em técnicas apuradas e na lida com os animais.

 

Saindo um pouco do ambiente da lida do agronegócio e da pecuária, o profissional da Zootecnia também pode atuar pesquisando nutrientes e produtos, trabalhando nas indústrias de insumos e rações, além de trabalhar com controle de qualidade desses produtos em termos de higiene e saúde, estando presente também na indústria de alimentos com origem animal, como laticínios e também na fabricação de embutidos.

 

São inúmeras áreas para uma mesma graduação, cada vez mais necessária no mercado atual.

Assim como a pecuária, a agricultura é uma das bases da existência humana. É o alimento primal das pessoas, e sua evolução tecnológica caminha pela evolução das nossas sementes, plantações, produções, até tudo isso chegar ao nosso prato. Por isso a importância de um profissional da Agronomia é tão grande. E essa grandeza não está ligada ao tamanho da plantação e sim à qualidade dessa produção agrícola.

Além de tudo isso, a agronomia é uma ciência e precisa de seus cientistas capacitados para novas descobertas, novos olhares. É por isso que entre as disciplinas que um agrônomo estuda em sua formação estão algumas como biologia, engenharia, extensão rural, gestão e empreendedorismo, por exemplo.

O curso é tão amplo que permite que esse profissional estude para cuidar de manejos no campo imensos, mas também trabalhar a qualidade de uma pequena propriedade, que gera lucro de economia local e agrega valor aos pequenos produtores orgânicos. Além disso, é ele que observa a importância de entender o impacto econômico de uma plantação estratégica, que não traga males ao meio ambiente e continue atendendo às demandas humanas com segurança e cuidado.

Mas não somente isso. O agrônomo trabalha também na otimização de pastagens – consumidas pelo gado que alimenta nosso País, e que precisa também de crescimento – de sementes e realiza todo um trabalho de pesquisa essencial para a evolução de agricultura, um dos segmentos mais rentáveis e necessários do mundo. Sem o plantar, o ser humano não sobrevive. Sem o agrônomo, esse plantar fica à mercê de pouco controle, qualidade e aprimoramento.

Próxima Página »